S.V.P denuncia local de descarte de animais vivos e mortos em João Pinheiro

A população deve denunciar às autoridades competentes atividades ou práticas que ameacem o meio ambiente.

O local denunciado pelo S.V.P fica nas proximidades da rua Luzia Pereira de Noronha, no bairro Papagaio, próximo a Garagem da Sertaneja.

O descarte de animais mortos e frequente, mas de acordo com informações colhidas com populares animais vivos também são abandonados no local.

Na noite da última terça para quarta-feira, foi visto um homem com um saco preto no local, jogando o embrulho no mato, alguns minutos depois o homem retornou e colocou fogo. Testemunhas que não quiseram se identificar, ficaram com medo de que pudesse ser uma pessoa no saco plástico e foram até o local verificar a situação, onde encontraram um cachorro sendo carbonizado.

As testemunhas não sabem informa se o animal ainda estava com vida quando foi abandonado no local.

Descarte inadequado de animais mortos, além de gerar problemas de saúde, é crime ambiental

Ter um animal de estimação é algo comum em praticamente todas as famílias, substituindo, talvez, um vazio do convívio familiar e isso simboliza a importância e estima que os animais de estimação assumiram na contemporaneidade.

Entretanto, na hora em que eles morrem o que fazer?

Infelizmente, em terrenos vazios, situados nas mais variadas regiões de Iguatemi, a secretaria de saúde, através da vigilância sanitária tem constatado a falta de consciência ambiental de alguns munícipes e estes locais acabam virando despejo de animais mortos e de lixo doméstico.

Acredita-se que tais ações sejam realizadas no período da noite, já, premeditadamente com o objetivo de que não sejam descobertas e nem registradas.

Os moradores próximos às localidades de desova de restos mortais de animais se queixam do mau cheiro que se instala e são forçados a conviver inalando o odor que se torna ainda mais insuportável em dias quentes e com ventos.

Outro fator grave é no tocante à saúde pública que, além dos transtornos, também expõem riscos à saúde de coletores de lixo domiciliar e dos selecionadores das associações de recicláveis do lixo produzido no município.

Quem joga animal morto em propriedades particulares ou descartam em sacos de lixos dentro dos latões, demonstram profundo desrespeito tanto ao meio ambiente quanto aos profissionais que atuam na área de limpeza, além disso, ainda, com o animal que por anos viveu no lar.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: