Rússia batiza como ‘Sputnik 5’ sua vacina contra o coronavírus

Agrominas a Casa do Fazendeiro
(38) 9-9815-8575 Rua Aparício Saraiva, nº:182 – Centro – João Pinheiro.

O “momento Sputnik” aconteceu. A vacina russa Sputnik V foi lançada, se tornando a primeira vacina contra a COVID-19 registrada no mundo e evocando memórias do lançamento surpresa de um satélite soviético em 1957, o qual abriu as portas da exploração espacial à humanidade.

Esta nova era levou não somente à competição, mas também a muitos esforços colaborativos, incluindo a missão conjunta Apollo-Soyuz realizada pelos EUA e pela União Soviética.

Sputnik V, é uma homenagem ao satélite soviético, anunciou o presidente do fundo soberano envolvido no projeto.

“Mais de um bilhão de doses foram encomendadas por 20 países”, afirmou Kirill Dmitriev, antes de destacar que a fase 3 dos testes começará na quarta-feira. O fundo soberano indicou que o início da produção industrial está previsto para setembro.

O presidente Vladimir Putin anunciou na manhã desta terça-feira (11) que a Rússia desenvolveu a “primeira” vacina contra o coronavírus, que provoca uma “imunidade duradoura” durante uma videoconferência com integrantes do governo exibida pela televisão.

“Esta manhã, pela primeira vez no mundo, foi registrada uma vacina contra o novo coronavírus”, disse Putin. “Sei que é bastante eficaz, que dá uma imunidade duradoura”, completou.

Nas semanas prévias ao anúncio, cientistas estrangeiros expressaram preocupação com a rapidez da criação de uma vacina deste tipo, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu respeito às diretrizes estabelecidas e que a Rússia seguisse “todos os estágios” necessários para desenvolver uma vacina segura.

Putin afirmou inclusive que uma de suas filhas foi inoculada com a vacina.

“Uma das minhas filhas tomou esta vacina. Acho que ela participou nos experimentos”, disse Putin, segundo a agência Interfax, antes de acrescentar que ela teve um pouco de febre e “nada mais”.

A vacina será distribuída em 1 de janeiro de 2021, de acordo com o registro nacional de medicamentos do ministério da Saúde, consultado pelas agências de notícias russas.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: